Os dois tipos de emissões de edifícios: carbono incorporado e carbono operacional

Em muitas partes do mundo, existe uma preocupação crescente com o impacto ambiental do sector da construção. Um exemplo disso é a Lei Local 97 de Nova York de 2019, que estabelece limites de emissão para edifícios mais de 25.000 pés quadrados a partir de 2024. Todos os edifícios abrangidos por esta lei enfrentarão uma multa de 268 dólares por tonelada métrica de equivalente de CO2 acima do seu respectivo limite, calculado a cada ano.

Mesmo quando as emissões operacionais são reduzidas, existe outro desafio – reduzir as emissões incorporadas nos edifícios. Arquitetura 2030 estimou que três materiais sozinhos são responsáveis ​​por 23% das emissões mundiais, quando se considera o impacto total das suas cadeias de abastecimento: aço, concreto e alumínio.

Obtenha um design ecológico para o seu próximo projeto de construção.

Sem ações específicas, o carbono incorporado poderá ultrapassar as emissões operacionais dos edifícios nas próximas décadas. De acordo com a Architecture 2030, o carbono incorporado poderá ser responsável por 57% das emissões de novas construções entre 2020 e 2040.

Carbono Operacional de Edifícios: Estratégias de Redução

emissões operacionais

São muitas as medidas que reduzir as emissões de carbono provenientes de edifícios existentes. No entanto, eles geralmente seguem duas estratégias principais:

  • Reduzindo o consumo de energia: Usando menos quilowatts-hora, pés cúbicos de gás natural, galões de óleo para aquecimento, galões de diesel, etc.
  • Mudando para fontes de energia mais limpas: Substituição da eletricidade da rede por energias renováveis ​​no local, mudança da combustão para aquecimento elétrico, etc.

A primeira estratégia reduz as unidades de energia utilizadas por um edifício, enquanto a segunda reduz a pegada de carbono de cada unidade de energia. No entanto, ambas as estratégias alcançam um objectivo comum: reduzir as emissões do sector da construção.

Cada propriedade é única – medidas de redução de carbono que são muito eficazes num edifício podem alcançar resultados limitados noutra propriedade na mesma cidade. O melhor ponto de partida é obter uma auditoria energética profissional e simular o efeito das medidas de redução de carbono com modelagem energética Programas.

As contas de energia e as emissões dos edifícios andam de mãos dadas. A tecnologia do carbono não visa apenas proteger o ambiente – há também um retorno do investimento atraente para os proprietários de edifícios e existem muitas opções de financiamento para atualizações verdes. Empréstimos PACE oferecem um período de reembolso de até 30 anos e podem ser facilmente transferidos para outros proprietários em caso de venda de edifícios.

Carbono Incorporado em Edifícios: Estratégias de Redução

carbono-1 incorporado

Ao contrário do carbono operacional, que pode ser reduzido através da melhoria de um edifício, o carbono incorporado já foi libertado quando uma nova construção é concluída. A Arquitetura 2030 propõe três estratégias para lidar com o carbono incorporado:

  • Reutilizando materiais de construção quando os edifícios atingem o fim da sua vida útil.
  • Reduzindo a pegada de carbono inicial, quando os materiais são usados ​​pela primeira vez em novas construções.
  • Sequestro de carbono que já foi lançado na atmosfera.

Existem muitas tecnologias que se concentram na eficiência energética e nas fontes renováveis, mas é necessária mais inovação para lidar com o carbono incorporado. Existem muitos conceitos promissores que podem ser aplicados no setor da construção: design para desconstrução, materiais com baixo teor de carbono e zero carbono, materiais sequestrantes de carbono, locais sequestradores de carbono, etc.

Outra forma de reduzir as emissões incorporadas é minimizar o uso de materiais desde a fase de projeto. Modelagem BIM o software pode ser usado para otimizar o layout dos sistemas de construção, e métodos como pré-fabricação e construção modular podem ser implementados para reduzir o desperdício.

Espera-se um crescimento considerável no sector da construção nas próximas décadas e é necessária uma acção rápida para evitar um grande impacto das emissões incorporadas. De acordo com as Nações Unidas, 68% da população global viverá em cidades até 2050, o que representa um aumento de 2,5 mil milhões da população urbana actual. O grande volume de novas construções duplicará o parque imobiliário mundial até 2060 – equivalente a 2,4 biliões de pés quadrados de área construída.

No caso de Nova York, Lei Local 97 penaliza apenas as emissões operacionais, com base em benchmarking energético do setor da construção. No entanto, isto não significa que as emissões incorporadas devam receber menos prioridade. Além disso, considere que leis rigorosas para emissões incorporadas poderiam ser promulgadas no futuro – os promotores que já estão a mitigar o impacto dos materiais e dos processos de construção estarão mais bem preparados.

Observações Finais

As emissões de carbono estão frequentemente associadas aos transportes, mas o impacto do sector da construção é muitas vezes ignorado. No entanto, os edifícios são responsáveis ​​pelo carbono incorporado e operacional, e são necessárias estratégias diferentes para cada tipo de emissões. A janela de oportunidade para reduzir o carbono incorporado também é menor – quando um edifício é inaugurado, estas emissões já foram libertadas.

As emissões operacionais podem ser direcionadas com uma combinação de medidas de eficiência energética, conversão para fontes mais limpas e medidas no local geração renovável. As emissões incorporadas devem ser minimizadas durante o processo de concepção e construção, reutilizando ao mesmo tempo o maior número possível de materiais e sequestrando as emissões que já foram libertadas.

Conteúdo Relacionado

Voltar para o blog

Deixe um comentário

Os comentários precisam ser aprovados antes da publicação.