9 Tendências de engenharia do MEP que ultrapassam os limites do projeto, da colaboração e da tecnologia de edifícios sustentáveis

A sustentabilidade é o novo preto. É uma palavra da moda que se tornou tão comum que quase perdeu o significado. Mas o que significa sustentabilidade? E o que podemos fazer sobre isso? Todas essas são perguntas que este post tentará responder examinando algumas das últimas tendências em projetos e tecnologias de construção sustentável.

Automação predial avançada

A automação predial é um componente crítico do projeto de construção sustentável e crucial para a entrega colaborativa de projetos. A automação predial é uma das maneiras mais fáceis de tornar seu edifício significativamente mais eficiente quando pode ajudá-lo a reduzir custos, reduzindo o consumo de energia e aumentando o conforto dos ocupantes.

Além disso, os avanços na tecnologia de automação predial permitiram que os arquitetos criassem envelopes de alto desempenho que maximizam o retorno sobre o investimento (RoI) e, ao mesmo tempo, reduzem as emissões de carbono dos edifícios através de melhor desempenho ou redução dos custos de manutenção.

Automação de Sistemas de Embalagem

De acordo com especialistas da Millennium Packaging Inc, a automação está a tornar-se mais predominante na indústria de embalagens e os engenheiros da MEP estão a desempenhar um papel crucial na concepção e implementação de sistemas de embalagem automatizados. Isso inclui a implantação de montadoras de caixas, máquinas que dobram e selam caixas de papelão automaticamente, e melhoram a velocidade e a eficiência dos processos de embalagem. Ao automatizar os sistemas de embalagem, os engenheiros da MEP podem reduzir a quantidade de resíduos de embalagens e melhorar a sustentabilidade geral na cadeia de abastecimento. Por exemplo, uma empresa que produz e envia muitos produtos em caixas de papelão pode ter dependido anteriormente de trabalho manual para dobrar e selar cada caixa. Esse processo pode ser demorado, trabalhoso e sujeito a erros. Porém, ao implantar uma montadora de caixas, a empresa pode automatizar esse processo, reduzindo o tempo e a mão de obra necessários para preparar as caixas para envio.

Maior foco na qualidade do ar interno

Os engenheiros da MEP estão na vanguarda do desenvolvimento de sistemas que promovem ar interior de alta qualidade, uma preocupação crescente na indústria da construção. Os engenheiros da MEP estão incorporando sistemas de ventilação com recuperação de energia (ERV) em seus projetos para melhorar a qualidade do ar interno. Os edifícios com sistemas ERV têm o seu ar interior viciado substituído por ar limpo proveniente do exterior, sendo a energia do ar descartada utilizada para aquecer ou arrefecer o ar novo. Este método aumenta a eficiência e garante um fluxo constante de ar limpo.

Conectando o Digital e o Físico

Vincular os mundos virtual e real é o próximo passo na engenharia MEP. Um novo tipo de design está surgindo devido a esta conectividade, baseado em sistemas modulares e facilmente personalizáveis ​​no âmbito digital. Uma abordagem em rede pode melhorar a produtividade durante as fases de construção e manutenção e reparação posteriores. Quando combinada com sensores inteligentes que monitorizam o desgaste comum dos componentes do edifício (como o isolamento), esta tecnologia pode ajudar a mitigar os riscos associados ao envelhecimento dos edifícios, prevendo falhas muito antes de ocorrerem, para que possam ser feitas reparações adequadas antes que surjam avarias significativas. – o que pode custar centenas ou milhares de dólares por hora!

Neutralidade de carbono

A indústria está a trabalhar em prol da neutralidade carbónica, que é um objetivo ambicioso, mas que pode ser alcançado com trabalho em equipa. Isto apresenta um desafio que ninguém no campo da concepção de edifícios poderia ter previsto quando começou: os engenheiros MEP devem encontrar uma forma de projectar edifícios energeticamente eficientes e amigos do ambiente.

Para alcançar a neutralidade carbónica até 2030 (o prazo para a legislação da UE), os arquitectos devem reduzir o seu consumo de energia em 50% até essa data, em comparação com os níveis actuais. Isso exigirá algumas mudanças significativas:

  • Sistemas de iluminação mais eficientes que consomem menos eletricidade
  • Maior valor de isolamento em toda a envolvente do edifício, como paredes e telhados
  • Materiais reduzidos de concreto ou aço a madeira ou vidro

Inteligência Artificial e Aprendizado de Máquina

A IA e o ML prometem revolucionar a forma como abordamos o projeto, a construção, a manutenção e as operações de edifícios, tornando-os duas das áreas mais interessantes da engenharia. Ao detectar problemas antes que eles se agravem, essas ferramentas podem melhorar o desempenho das estruturas verdes e ajudá-lo a escolher as soluções mais adequadas.

Imagens ou vídeos tirados fora de um edifício podem ser analisados ​​usando algoritmos de aprendizado de máquina por sistemas de IA/ML. Esses dados são então usados ​​para prever resultados futuros com base em dados históricos de projetos ou situações análogas (como se uma janela quebrar se for deixada aberta por muito tempo).

Soluções bioinspiradas

As soluções bioinspiradas são uma nova tendência no design de edifícios sustentáveis ​​que ganhou impulso nos últimos anos. Essas soluções são projetadas para resolver problemas do mundo real, como:

  • Superfícies autolimpantes que podem limpar-se sozinhas após serem tocadas por humanos ou animais.
  • Materiais autocurativos que podem se reparar quando quebrados.
  • Estruturas autorreparáveis ​​podem se autorreparar após danos causados ​​por desastres naturais, como terremotos ou inundações (como edifícios).

Existem muitos tipos diferentes de materiais de construção de inspiração biológica, incluindo fibras de madeira revestidas com nanopartículas para formar uma carga elétrica quando expostas à umidade, concreto feito de material reciclado e até bactérias transformadas em tijolos!

Indústria 4.0.

A Indústria 4.0 é uma nova forma de trabalhar e vai além da tecnologia. Trata-se de colaboração, futuro e sustentabilidade.

A Indústria 4.0 utiliza tecnologia para criar ferramentas que ajudam as pessoas a trabalharem juntas de forma mais eficiente em organizações ou setores. Essas ferramentas podem ser qualquer coisa, desde aplicativos e software até sensores incorporados em produtos, para que você saiba de onde virá seu próximo projeto (ou quando ele precisará de manutenção).

Também significa usar dados coletados desses sistemas para entender como todas essas máquinas diferentes estão conectadas para que todas funcionem em seu melhor potencial – e então fazer com que essas conexões aconteçam de forma ainda mais eficiente, compartilhando informações entre elas por meio de APIs (interfaces de programação de aplicativos).

Conteúdo Relacionado

Voltar para o blog

Deixe um comentário

Os comentários precisam ser aprovados antes da publicação.