As missões Apollo – o salto gigante da humanidade para a lua

Recentemente, a agência espacial indiana ISRO pousou com sucesso uma espaçonave no pólo sul lunar. Isto faz da Índia o primeiro país a pousar uma nave espacial na desafiadora região sul da Lua, onde há uma grande probabilidade de encontrar gelo e recursos para futuras missões espaciais tripuladas ao espaço profundo. A Índia aspira enviar uma missão tripulada à Lua até 2025 no âmbito da sua missão Gaganyaan. Na nova corrida espacial, a China já aterrou uma nave espacial na Lua em 2021 e também planeia enviar a sua primeira missão tripulada à Lua até 2030.

Um feito já alcançado pelos Estados Unidos há 50 anos é agora uma nova corrida espacial. Os Estados Unidos estão novamente a planear devolver humanos à Lua, incluindo a primeira mulher e a primeira pessoa negra, até 2025, no âmbito da sua missão Artemis III. Embora Gaganyaan da ISRO e Artemis III da NASA sejam programas espaciais independentes, a ISRO e a NASA assinaram um memorando de entendimento (MoU) em 2020 para cooperação na exploração lunar com a intenção de compartilhar informações e conhecimentos sobre ciência lunar, exploração e voos espaciais humanos. As duas nações, juntamente com quase 30 outras nações, são signatárias do Acordo Artemis, que acorda um conjunto de princípios que garantem transparência, interoperabilidade, assistência de emergência e partilha de recursos de acordo com as leis internacionais para missões lunares.

No início de uma nova era espacial, vale a pena recordar as missões Apollo da NASA, que deixaram um legado duradouro na área da exploração espacial. O programa Apollo é uma das maiores conquistas da história da tecnologia espacial humana. O programa foi uma série de missões espaciais conduzidas pela Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço (NASA) dos Estados Unidos de 1961 a 1972 com o objetivo de pousar humanos na Lua e devolvê-los com segurança à Terra. O programa manifestou-se apenas 2 anos após a formação da NASA em 1958. Um total de 17 missões foram realizadas no âmbito do programa espacial. Foi sob o programa Apollo que, na missão Apollo 11, os Estados Unidos se tornaram a primeira nação a pousar humanos na Lua, e Neil Armstrong se tornou a primeira pessoa a caminhar na Lua. O programa foi um grito de vitória para os Estados Unidos numa corrida espacial da era da Guerra Fria com a União Soviética. Entre 1969 e 1972, os Estados Unidos enviaram 12 astronautas à Lua e os trouxeram de volta em segurança à Terra.

Vamos relembrar as missões Apollo e relembrar alguns detalhes das conquistas históricas da NASA e da humanidade.

Visão geral das missões Apollo
O programa Apollo foi lançado durante a era da Guerra Fria, quando os Estados Unidos e a União Soviética competiam entre si para demonstrar a sua superioridade tecnológica e ideológica. Em 1957, a União Soviética obteve uma vitória significativa ao lançar o Sputnik 1, o primeiro satélite artificial do mundo. Isso marcou o início de uma aventura humana na exploração do espaço sideral. O evento enviou ondas de choque pelos Estados Unidos e galvanizou os seus esforços em tecnologia espacial. Em 1958, os Estados Unidos formaram a Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço (NASA) para pesquisa e desenvolvimento em tecnologia espacial. Quando, em 1961, a União Soviética lançou com sucesso Yuri Gagarin, o primeiro humano no espaço, a rivalidade entre as duas superpotências no espaço intensificou-se ainda mais.

Desde o seu início, a NASA nutria ambições de enviar humanos ao espaço e devolvê-los em segurança à Terra. O Projeto Mercúrio foi lançado. No âmbito do Projeto Mercury, seis missões foram realizadas entre 1961 e 1963, culminando no voo do astronauta John Glenn, que se tornou o primeiro americano a orbitar a Terra. Seguiu-se o Projeto Gemini, com dez missões entre 1965 e 1966, focadas em testar a tecnologia e os procedimentos necessários para missões lunares. O presidente John F. Kennedy, num discurso ao Congresso em 25 de maio de 1961, anunciou formalmente a visão de pousar um homem na Lua e devolvê-lo em segurança à Terra. Ele declarou: “Acredito que esta nação deveria se comprometer a alcançar o objetivo, antes do final desta década, de pousar um homem na Lua e devolvê-lo em segurança à Terra”. Então, o programa Apollo foi lançado e, em 1969, os Estados Unidos enviaram com sucesso a primeira missão tripulada à Lua com Neil Armstrong e Buzz Aldrin, que foram os primeiros humanos a caminhar na superfície lunar. Apesar do sucesso inicial no espaço, a União Soviética nunca enviou seres humanos à Lua devido a uma combinação de factores técnicos, financeiros e geopolíticos.

O programa Apollo compreendeu uma série de missões, cada uma com objetivos e marcos específicos. Essas missões podem ser amplamente categorizadas em três tipos:

Missões do Módulo de Comando/Serviço Apollo (CSM): Essas missões incluíram espaçonaves tripuladas que orbitaram a Lua sem pousar. Os objetivos principais eram testar a espaçonave e coletar dados lunares em órbita.

Missões do Módulo Lunar Apollo (LM): Estas foram missões tripuladas à Lua, permitindo aos astronautas pousar e explorar a superfície lunar. Em cada uma dessas missões, um módulo lunar foi transportado pela espaçonave para pousar os astronautas na superfície lunar e deixá-los retornar em segurança à Terra.

Projeto de teste Apollo-Soyuz (ASTP): Uma missão conjunta com a União Soviética em 1975, que marcou o fim do programa Apollo.

Apolo 1
Originalmente designada como AS-204, esta foi a primeira missão programada para ser um voo espacial tripulado. A missão terminou tragicamente quando ocorreu um incêndio na cabine durante um teste de pré-lançamento em 27 de janeiro de 1967, resultando na morte dos astronautas Gus Grissom, Ed White e Roger B. O fogo acendeu durante o teste de desligamento devido a um curto-circuito ou alguma falha elétrica. O módulo de comando foi preenchido com oxigênio de alta pressão em preparação para o lançamento, o que aumentou a inflamabilidade dos materiais da espaçonave. Devido ao design e aos mecanismos da escotilha, os astronautas não conseguiram abrir rapidamente a porta da espaçonave e escapar. Por causa da alta pressão atmosférica no interior da espaçonave, houve um problema de comunicação que atrapalhou ainda mais a operação de resgate. A perda de vidas no acidente é atribuída principalmente à falta de medidas de segurança e ao design da espaçonave. Tipo, os trajes do astronauta não eram resistentes ao fogo e contribuíram para a rápida propagação das chamas. A missão foi posteriormente renomeada como Apollo 1 em homenagem aos astronautas que perderam a vida no acidente.

Apolo 4
Oficialmente designada como AS-504, esta missão foi lançada em 9 de novembro de 1967. Foi um vôo de teste desenroscado do foguete Saturn V e do Módulo de Comando/Serviço Apollo (CSM). O principal objetivo da missão era testar o desempenho do veículo lançador.

Apolo 5
Apollo 5, a missão designada AS-204 foi lançada em 22 de janeiro de 1968. Foi uma missão não tripulada testando o módulo lunar na órbita da Terra para examinar sua capacidade de operar no espaço.

Apolo 6
Designada como AS-502, esta missão foi lançada em 4 de abril de 1968. Foi outra missão desenroscada para realizar um vôo de teste final do veículo de lançamento Saturn V e do Módulo de Comando/Serviço Apollo. A missão passou por vários problemas técnicos, mas provou ser uma valiosa experiência de aprendizagem.

Apolo 7
Esta foi a primeira missão Apollo tripulada realizada entre 11 e 22 de outubro de 1968. Ela orbitou a Terra e testou a capacidade do módulo de comando/serviço. Esta missão foi crítica para ganhar confiança na nave espacial e preparar o seu caminho até à Lua.

Apolo 8
Esta foi a primeira missão tripulada à órbita lunar. Os astronautas Frank Borman, James Lovell e William Anders circularam a Lua dez vezes e forneceram fotografias icônicas do nascimento da Terra a partir da órbita lunar. No entanto, a missão não pousou na Lua e retornou à Terra após orbitar a Lua. A missão foi realizada entre 21 e 27 de dezembro de 1968.

Apolo 9
A Apollo 9 tinha como objetivo testar o módulo lunar na órbita terrestre, como manobras de acoplamento e desencaixe com o módulo de comando/serviço. A missão de teste foi realizada entre 3 e 13 de março de 1969.

Apolo 10
Esta missão é frequentemente chamada de 'Ensaio Geral' para o pouso na Lua. A missão realizada entre 18 e 26 de maio de 1969 lançou uma espaçonave em órbita lunar a 15,6 km da superfície lunar, mas não pousou.

Apolo 11
Esta foi a missão icônica que levou um homem à Lua pela primeira vez. O astronauta Neil Armstrong se tornou o primeiro humano a caminhar na Lua em 20 de julho de 1969, às 20h17 UTC. Ele foi acompanhado por Buzz Aldrin 19 minutos depois, enquanto Michael Collins orbitava acima. Toda a missão foi conduzida entre 16 e 24 de julho de 1969 e demonstrou o pouso e retorno seguros de humanos da superfície lunar. “Esse é um pequeno passo para o homem, um salto gigante para a humanidade.” foram as palavras históricas de Neil Armstrong ao se tornar o primeiro humano a pisar na superfície lunar.

Apolo 12
Esta foi uma segunda missão tripulada à superfície lunar conduzida entre 14 e 24 de novembro de 1969. O comandante Charles 'Pete' Conrad e o piloto do módulo lunar Alan L. Bean pousaram na lua e realizaram dois moonwalks. O piloto do módulo de comando Richard F. Gordon permaneceu em órbita.

Apolo 13
Muitas vezes referida como “fracasso de sucesso”, a Apollo 13 é uma história de superação de adversidades na exploração espacial. Lançada em 11 de abril de 1970, a missão sofreu um acidente pouco depois de aproximadamente 56 horas a caminho da Lua. A espaçonave com os astronautas James A. Lovell Jr., John L. Swigert Jr. e Fred W. Haise Jr. a bordo sofreu uma falha catastrófica em um dos tanques de oxigênio da espaçonave. Isto resultou na perda de energia elétrica, perda de calor da cabine e uma redução significativa nos sistemas de suporte de vida. Dada a gravidade da situação, a NASA abortou imediatamente a missão e, em vez disso, executou uma trajetória de retorno livre que levaria a espaçonave ao redor da Lua e de volta à Terra sem entrar na órbita lunar.

A tripulação da Apollo 13, com a cooperação do controle de solo em Houston, Texas, improvisou soluções para conservar energia, estabilizar os sistemas da espaçonave e garantir um retorno seguro à Terra. A tripulação sobreviveu no Módulo Lunar (LM), Aquarius, que foi projetado para pouso lunar, mas foi adaptado para servir como bote salva-vidas. Eles usaram o motor de descida do Módulo Lunar para realizar correções críticas de curso. Em 17 de abril de 1970, a tripulação reentrou com sucesso na atmosfera terrestre e o módulo de comando caiu com segurança no Oceano Pacífico. Todos os três astronautas foram recuperados pelo USS Iwo Jima.

Embora a Apollo 13 não tenha conseguido pousar na Lua, ela demonstrou a resiliência e adaptabilidade do programa espacial da NASA. A missão continua a ser um exemplo notável de resolução de problemas, raciocínio rápido e trabalho em equipe para superar as adversidades na exploração espacial. Também levou a uma revisão abrangente dos sistemas e protocolos de segurança das naves espaciais, levando a melhorias nas missões Apollo subsequentes.

Apolo 14
Esta foi a terceira missão tripulada a pousar na lua. Os astronautas Alan Shepard e Edgar Mitchell conduziram dois moonwalks, incluindo uma partida de golfe, enquanto o piloto do módulo de comando Stuart A. Roosa permaneceu em órbita. A missão foi realizada entre 31 de janeiro e 9 de fevereiro de 1971.

Apolo 15
A quarta missão tripulada a pousar com sucesso na Lua, a Apollo 15, foi conduzida entre 26 de julho e 7 de agosto de 1971. Os astronautas David R. Scott e James B. Irwin conduziram três caminhadas lunares e dirigiram o Veículo Lunar Roving (buggy lunar) por longos períodos. exploração. O piloto do módulo de comando Alfred M. Worden permaneceu em órbita.

Apolo 16
A Apollo 16 foi a quinta missão tripulada que pousou na superfície lunar. Os astronautas John W. Young e Charles M. Duke exploraram as terras altas lunares e conduziram três moonwalks enquanto Thomas K. Mattingly assumia o controle do módulo de comando. A missão foi cumprida entre 16 e 27 de abril de 1972.

Apolo 17
Esta foi a última missão lunar da Apollo que pousou uma tripulação humana na superfície lunar. Os astronautas Eugene A. Cernan e Harrison H. Schmitt pousaram na lua e realizaram uma série de experimentos científicos junto com a exploração da superfície lunar em um veículo espacial. Ronald E. Evans permaneceu no comando do módulo de comando.

Projeto de teste Apollo-Soyuz
O Projeto de Teste Apollo-Soyuz (ASTP) foi o primeiro voo espacial conjunto entre os Estados Unidos e a União Soviética lançado em 1975. A missão simbolizou o degelo na corrida espacial da Guerra Fria e abriu caminho para a cooperação internacional no espaço, levando ao desenvolvimento da Estação Espacial Internacional (ISS) no futuro. O objetivo principal do ASTP era testar a compatibilidade de sistemas de naves espaciais de diferentes países. A espaçonave americana Apollo foi lançada do Centro Espacial Kennedy, na Flórida, em 15 de julho de 1975, e a espaçonave soviética Soyuz foi lançada do Cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão. As duas espaçonaves atracaram com sucesso em órbita em 17 de julho, marcando uma conquista significativa na tecnologia espacial.

Uma série de experimentos científicos, incluindo observações da Terra e estudos biomédicos, foram conduzidos durante a missão. Os tripulantes Thomas P. Stafford, Vance D. Brand e Donald K. “Deke” Slayton dos Estados Unidos retornaram com segurança pousando no Oceano Pacífico, enquanto Alexei Leonov e Valeri Kubasov da União Soviética desembarcaram em território soviético após sucesso atividades conjuntas por 44 horas no espaço.

Por que as missões Apollo foram descontinuadas
A época em que as missões Apollo foram conduzidas foi uma era de ouro para a ciência e a pesquisa espaciais. Foi a primeira vez que os humanos exploraram algum outro corpo celeste e experimentaram viagens, vidas e resgates no espaço. Depois da Apollo 17, os Estados Unidos interromperam o programa por vários motivos.

O programa Apollo era incrivelmente caro. Consumiu uma parte significativa do orçamento global da NASA, deixando menos recursos para outras explorações espaciais e experiências científicas. Depois de seis missões tripuladas bem-sucedidas à Lua, o interesse público nas missões lunares começou a diminuir. Esta diminuição do entusiasmo público tornou difícil justificar os elevados custos da continuação do programa. As missões Apollo, apesar de terem sido incrivelmente bem-sucedidas, também demonstraram os desafios e riscos da exploração espacial tripulada. A Apollo 13 destacou os perigos inerentes aos voos espaciais humanos.

Na época da Apollo 17, em 1972, a maioria dos objetivos científicos do programa foram alcançados. As amostras lunares, experimentos e dados coletados durante as missões forneceram informações valiosas sobre a geologia, história e formação da Lua. Assim, agora o foco da NASA mudou para a exploração de Marte e de outros corpos celestes do sistema solar. Como nada de profundo foi descoberto na Lua, a continuação das missões lunares, especificamente missões tripuladas à Lua, era quase inútil. A NASA lentamente mudou para missões não tripuladas a outros corpos celestes para promover o conhecimento científico sobre o sistema solar e o espaço profundo.

As razões geopolíticas, como os custos crescentes da Guerra do Vietname e dos programas sociais nacionais, também levaram a uma reavaliação das prioridades nacionais, com alguns a argumentar que o dinheiro gasto na Apollo poderia ser melhor utilizado noutro local. Mesmo depois do magnífico sucesso do programa Apollo dos Estados Unidos, a União Soviética nunca enviou quaisquer missões tripuladas à Lua. Nenhuma outra nação daquela época estava tão desenvolvida para entrar na corrida espacial. Muitas nações acabaram de conquistar a independência do Império Britânico na década de 1950. Se tivessem algum programa espacial, estes foram impulsionados pela Guerra Fria entre os Estados Unidos e a União Soviética ou foram adoptados na sequência de necessidades de desenvolvimento para o uso potencial da tecnologia espacial em telecomunicações, previsão meteorológica, agricultura e gestão de recursos. . A corrida espacial estava quase no fim. Em vez disso, começou uma era de cooperação internacional em tecnologia e exploração espacial.

Por que uma nova corrida espacial até a lua?
Em 1998, a missão Lunar Prospector da NASA forneceu fortes evidências da presença de água gelada na Lua. A espaçonave Lunar Prospector carregava um instrumento espectrômetro de nêutrons projetado para detectar hidrogênio, um componente-chave da água, na forma de água gelada. Este instrumento detectou níveis elevados de hidrogénio nos pólos lunares, sugerindo a presença de água gelada em regiões permanentemente sombreadas dentro de crateras polares. A luz solar nunca atinge essas crateras. É por isso que estas crateras são extremamente frias e pensa-se que retêm gelo de água que poderia ter sido depositado por cometas ou outras fontes ao longo de milhares de milhões de anos.

Mais tarde, outras missões lunares como Chang'e 4 da Administração Espacial Nacional da China (CNSA) e Chandrayaan-1 da Organização Indiana de Pesquisa Espacial (ISRO) descobriram ainda evidências de gelo de água lunar, especificamente no pólo sul da lua. Desde que foram recolhidas evidências de água gelada no pólo sul lunar, uma nova corrida espacial começou. A Lua é agora vista como uma porta de entrada potencial para missões espaciais tripuladas no espaço profundo, onde naves espaciais poderiam atracar na Lua para reabastecer, armazenar água e outros recursos para voos espaciais humanos para outros corpos celestes do sistema solar. Além disso, o turismo espacial tem um potencial totalmente novo devido à engenharia espacial emergente e rentável.

Esta será uma corrida novamente. Tal como no passado, uma nova guerra fria emergente voltou a obscurecer o potencial da exploração espacial humana. Embora nações democráticas como os Estados Unidos, a Índia e o Japão tenham concordado com a cooperação internacional na exploração lunar ao abrigo do Acordo Artemis, é pouco provável que nações comunistas como a Rússia e a China se juntem à equipa. Num novo mundo multipolar, só o tempo dirá se as democracias ou os comunistas assumirão a liderança na nova corrida espacial.

Conteúdo Relacionado

Voltar para o blog

Deixe um comentário

Os comentários precisam ser aprovados antes da publicação.