6 desafios enfrentados pelas áreas urbanas no mundo em desenvolvimento

De acordo com o Banco Mundial, o mundo registou um declínio significativo da pobreza extrema desde a década de 1990. Em 1990, cerca de 1,9 mil milhões dos 5,3 mil milhões de habitantes do mundo viviam com 1,90 dólares por dia ou menos. Em 2015, esse número aumentou para cerca de 736 milhões dos 7,4 mil milhões de habitantes do mundo.

Uma grande parte disto tem sido uma onda global de migração urbana no mundo em desenvolvimento, reflectindo padrões semelhantes vividos pelos países ocidentais no século XIX, quando foram recentemente industrializados. Para muitas pessoas que vivem no campo, as cidades tendem a oferecer rendimentos maiores, mobilidade ascendente e um caminho claro para a prosperidade. No entanto, esta migração urbana tem muitas vezes sobrecarregado as infra-estruturas urbanas existentes, as instalações sócio-cívicas e os sistemas políticos, ultrapassando os seus pontos de ruptura.

Aqui estão alguns dos desafios mais sérios enfrentados pelas áreas urbanas no mundo em desenvolvimento:

1) Alocação Básica de Recursos

Os decisores políticos nas economias em desenvolvimento estão constantemente sob pressão para fazer mais com muito menos do que o que está disponível nos países economicamente prósperos. A maioria dos países em desenvolvimento também continua a enfrentar uma combinação de taxas de natalidade muito elevadas e de migração urbana, o que faz com que as principais cidades destes países sejam densamente povoadas. A combinação de densidades populacionais urbanas extremamente elevadas e financiamento limitado tende a causar graves lacunas no fornecimento de recursos básicos como água e electricidade.

Antigas nações em desenvolvimento que alcançaram o estatuto de rendimento médio, como a Tailândia, o Vietname e as Filipinas, realizaram enormes melhorias nas infra-estruturas eléctrica, de comunicações e hídrica. O desenvolvimento de oportunidades económicas nas zonas rurais também serviu para abrandar a migração urbana em muitos países, aliviando a carga das cidades que lutam para fornecer serviços básicos. Ainda assim, a disponibilização de recursos básicos continuará a ser um desafio para estas economias recentemente prósperas nos próximos anos.

2) Ameaças Ambientais

A protecção ambiental raramente é uma prioridade em países onde as famílias lutam para atingir até mesmo os padrões de vida mais básicos. Os serviços adequados de tratamento e eliminação de resíduos são raros, resultando numa degradação ambiental significativa nas cidades. Se os resíduos sólidos forem eliminados, a queima não regulamentada a céu aberto é a solução habitual, o que resulta numa poluição atmosférica significativa.

Além disso, as florestas em torno das cidades são frequentemente sobreexploradas para obter materiais de construção e combustíveis baratos, resultando em danos adicionais ao solo e aos sistemas naturais de água em torno das cidades no mundo em desenvolvimento. A utilização de combustível lenhoso também contribui significativamente para a poluição do ar nas áreas habitadas e nas suas imediações.

3) Desenvolvimento equitativo de infra-estruturas públicas

As cidades dos países em desenvolvimento têm frequentemente problemas em fornecer infra-estruturas públicas equitativas. Na maioria dos casos, as famílias de baixos rendimentos vivem em bairros degradados ou na periferia das cidades, enquanto os seus empregos estão localizados no centro da cidade.

Isto significa que os deslocamentos longos e difíceis são uma característica comum das cidades dos países em desenvolvimento. O tempo adicional de deslocação e o stress têm invariavelmente um impacto negativo no bem-estar e nas oportunidades económicas dos indivíduos comuns.

Na maioria dos países em desenvolvimento, tudo isto se resume a algumas razões, incluindo a falta de fundos, a má gestão crónica e a ausência de políticas coerentes para o desenvolvimento urbano. Em muitos casos, as nações em desenvolvimento são governadas por elites ricas que se concentram no desenvolvimento de infra-estruturas que beneficiam apenas a sua classe, resultando na falta de infra-estruturas públicas adequadas para a maioria.

4) Boa Governança

Embora a corrupção também seja comum em alguns países ricos, as nações em desenvolvimento são especialmente vulneráveis ​​aos seus efeitos. Os projectos de infra-estruturas urbanas são frequentemente afectados pela corrupção em detrimento daqueles que dependem deles para obter rendimentos. A corrupção também resulta na criação de projectos de infra-estruturas que não trazem benefícios directos para os habitantes urbanos, desperdiçando recursos financeiros limitados.

5) Saúde e Segurança

Nos países desenvolvidos, os habitantes das cidades tendem a viver mais tempo do que os seus congéneres rurais. No entanto, esta tendência é largamente invertida nos países em desenvolvimento. Devido à falta de fundos para a protecção ambiental e ao desenvolvimento desigual das cidades, os habitantes urbanos dos países em desenvolvimento tendem a sofrer mais stress, a beber água imprópria e a respirar um ar mais sujo.

Curiosamente, um estudo da Universidade do Texas indica que a redução da dependência dos automóveis e o controlo da expansão urbana podem ajudar a compensar a maioria destes efeitos negativos. Para as cidades dos países em desenvolvimento, investir mais nos transportes públicos e no planeamento urbano pode levar a uma população mais saudável, a uma pressão reduzida sobre os cuidados de saúde públicos e a uma economia local mais forte a longo prazo.

6) Favelas

Em países com má governação e elevados níveis de desigualdade económica, o aumento dos bairros degradados é uma consequência inevitável da indisponibilidade de opções de habitação urbana digna para indivíduos e famílias de baixos rendimentos. Embora os bairros degradados sejam observados mesmo nas economias mais ricas, são um problema especialmente notável nos países em desenvolvimento.

Alguns teóricos do planeamento urbano observam que existem vantagens nas áreas de bairros degradados, tais como a proximidade de melhores oportunidades económicas e a elevada disponibilidade de certos serviços básicos. No entanto, as habitações de baixa qualidade normalmente encontradas nestes bairros degradados são geralmente consideradas inseguras para os habitantes e um factor que contribui para a criminalidade e outros males sociais.

As nações em desenvolvimento devem concentrar-se no desenvolvimento urbano

A maioria das nações em desenvolvimento enfrenta desafios prementes na satisfação das necessidades básicas dos seus cidadãos. Como resultado, o planeamento urbano consciente raramente é uma prioridade, dado que os benefícios são geralmente sentidos a longo prazo. Em qualquer caso, cada país é diferente e todos têm problemas únicos a superar.

No entanto, investimentos relativamente modestos em áreas como infra-estruturas hídricas, transportes públicos e planeamento urbano continuam a ser vitais onde quer que existam espaços urbanos. Investimentos modestos nestas áreas podem não resolver tudo, mas podem tornar os espaços urbanos nos países em desenvolvimento mais saudáveis, mais prósperos e melhor posicionados para contribuir para o crescimento económico futuro.

Conteúdo Relacionado

Voltar para o blog

Deixe um comentário

Os comentários precisam ser aprovados antes da publicação.